novidades e outras coisas

Posts tagged ‘república’

“…seria um erro ainda maior usar a sua crítica para abrir caminho à legitimação da ditadura. “

É verdade que houve de 1910 a 1926, instabilidade, violência política, guerra civil, intolerância, repressão, manipulação eleitoral, actuação anti-operária e anti-sindical, censura, mas também é verdade que muitos republicanos, depois de afastados do poder, mostraram o melhor de si próprios.

Quando, depois de 1926, foram perseguidos, exilados, presos, impedidos de exercer a sua profissão, afastados das forças armadas, desempregados, insultados e agredidos, muitos republicanos, incluindo os chefes partidários, permaneceram fiéis a uma resistência tenaz, tanto mais valorosa quanto durou quatro décadas, em que muitos podiam ter-se acomodado e desistido. Em muitas terras de Portugal, e não só nas cidades, eles fizeram sempre a melhor propaganda que há, a propaganda pelo exemplo.

Talvez por isso, mais do que a Primeira República de 1910 a 1926, comemoramos hoje a sua imagem na resistência nos anos do salazarismo e do marcelismo, quando se via, como eu vi, nas romagens aos túmulos das vítimas do 31 de Janeiro no Porto, alguns velhos a chorarem quando gritavam emocionados “viva a República”. A revolução republicana já pouco dizia à minha geração, mas essa emoção dizia quase tudo. Esse “viva à República” era um puro acto de liberdade em tempos de servidão. E esse grito de liberdade merece todas as comemorações.

Disse.

(JPP in Abrupto)

as palavras e as ideias

As comemorações do centenário da República sempre se revelaram de algum interesse: das polémicas e obras publicadas, fica claro que é um período mal conhecido da generalidade dos próprios historiadores de encomenda. Apesar de haver um título de 1976 “O Poder e o Povo: A Revolução de 1910″, da autoria de Vasco Pulido Valente, que é considerado o melhor que se fez sobre o assunto (não li, mas acredito). 

O que ressalta de tudo isto são as falsas associações: república-democracia, monarquia-autoritarismo, república-liberdade,  a realidade é sempre mais complexa do que a retratada nos discursos comemorativos. Mas para perceber porquê há que evitar as explicações preguiçosas. 

Basicamente, o que fica, e nunca é demais lembrar, vivemos numa sociedade onde não são reconhecidos privilégios de sangue. Ou, como se dirá numa linguagem mais actual: a genética não garante um bom chefe-de-estado.

“desnudos, pero perfectamente identificables”

Este é um assunto sério e, como tal, merece a devida ponderação.

Afirmar que tal coisa revela “evidente y consciente menosprecio a la Corona, a la que se ha causado un notable daño en su prestigio institucional” é que é uma verdadeira anedota! (mais…)

Nuvem de etiquetas

%d bloggers like this: