novidades e outras coisas

Posts tagged ‘morte de deus’

“God is dead, Marx is dead, and I don’t feel too well myself” (Woody Allen)

As religiões com sentido “histórico” balizam com datas os eventos que marcam o início e o fim dos tempos, assim como as etapas do seu desenrolar, deste modo enfrentando a decadência do Mundo e do Homem com o horizonte duma salvação para os justos e duma condenação para os ímpios. Horizonte que se cumprirá para a Eternidade irrepetivelmente.

Cada geração envelhece com a certeza de que “no seu tempo era melhor”, desabafo que se pode já constatar em folhas de papiro egípcias ou tabuinhas de argila babilónicas com milhares de anos. Os mitos, por regra, falam duma idade de ouro no passado e o fim do mundo mais lá para a frente, num futuro mais ou menos longo. Processo muitas vezes cíclico, eternamente repetível.

A um nível mais terra-a-terra, o sentimento actual de que se perdem valores como o do estudo, da cultura e do trabalho, muito por culpa da tecnologia (televisão, internet), do consumismo, do individualismo e da procura do prazer, é uma derivação do pessimismo dos mitos. (mais…)

silly season

Lamenta-se um padre-cura que o declínio do número dos alunos para a disciplina de Religião e Moral Católica tenha várias causas,  “la causa primera y principal no es precisamente la actual legislación, sino la falta de interés, la comodidad, la adaptación al ambiente, cuando no la irresponsabilidad de muchos padres y alumnos, que anteponen otros intereses, cuando no la comodidad, a una buena formación cristiana“(in Público). E ameaça com um tenebroso futuro do início da época escolar sem a caridosa disciplina.

Quando Deus morreu, por volta do sec.XIX, muitos lhe sentiram a falta, mesmo entre aqueles que o mataram: a liberdade e a responsabilidade, abrindo novas possibilidades, ainda assustam mais do que atraem, é verdade. Talvez por isso, o bom do padre-cura explore a culpa e a insegurança, apontando a dedo “a comodidade”…uma outra forma de dizer prazer

E a sociedade, irremediavelmente laica, acaba por concordar à sua maneira: falta de idealismo, de civismo, de ética e de espírito de sacrifício trabalho. Como se fizessem falta umas palmadas de quando em vez e sopinha a todas as refeições.

Para antídoto a todo este pessimismo, já o sábio louco alemão insistia nas virtudes da dança, do riso e do jogo. Mas, evidentemente, é preciso ser criança para criar um novo mundo.

Nuvem de etiquetas

%d bloggers like this: