novidades e outras coisas

Posts tagged ‘jogos olimpicos’

ordem olimpica

Sentencing them both to a year in a labour camp, the official paperwork says Wu, who walks with a stick, and Wang, who is deaf and partially blind, had “seriously disturbed the normal social order (in al-Jazeera)

I’m glad to hear that over 70 protest issues have been solved through consultation, dialogue.This is a part of Chinese culture” (Wang Wei, vice-presidente do comitê olimpico chinês)

“At first we were happy to hear the government was allowing protests during the games, but now we realise that promise was fake. I’m very, very angry” (Wu Dian Yuan, 79 anos, condenada a cumprir 1 ano num centro de re-educação pelo trabalho)

Anúncios

espíritos olimpicos

 

Houve um tempo em que se dizia que o importante é participar (outra variante: jogar). Havia o fair-play (intraduzível em português, segundo as más-línguas), havia que saber perder.

Tempos houve em que se lançavam suspeições psicanalíticas sobre a necessidade de afirmação, a vontade em ser o primeiro.

Não gostar de perder nem a feijões, por exemplo, já é uma expressão actualíssima, algo ingénua (haverá quem goste de perder, mesmo a feijões?). Ora, para ser o melhor, há que “especializar-se”. Mas o que será mais admirável: um atleta que ganhe oito medalhas numa modalidade ou outro que não ganhe nenhuma, mas tem aptidões para participar em mais do que uma modalidade (tipo natação+ciclismo+corrida)?

(mais…)

ideais olimpicos

Through censorship, visa restrictions, intimidation and brute repression, China’s leadership is trying to prevent any public expression by Chinese citizens or foreign visitors that conflicts with the image it wishes to project to the world — that of a “harmonious” society (in Washington Post)

falta de oportunidade

As coisas inacreditáveis que se lêem pela imprensa “estrangeira”:

Por outra banda, o presidente do Comité Olímpico de Portugal (COP), Vicente Moura, cualificou de “oportunistas” os que defenden un boicot aos Xogos Olímpicos de Beixín 2008, en protesta polo conflito no Tíbet e pola situación dos dereitos humanos na China.

“Un boicot aos Xogos vai prexudicar naturalmente a República Popular da China, mais tamén ao pobo chinés, xa que o país se fechará aínda máis e a poboación non terá oportunidade de convivir con outras realidades”, afirmou Moura nunha entrevista á axencia Lusa. (in Vieiros)

jogos olímpicos

Cada vez mais sou a favor da realização dos JO de Pequim: a passagem da chama olímpica pela Europa, só por si, salva a imagem dos Jogos como ideal de paz e fraternidade mundial.

Aos atletas que comparecerem em Pequim sobra-lhes esta responsabilidade: depois da prestação de suas provas, e ainda no estádio (de preferência já no pódio, para os mais afortunados), um gesto simbólico como já aconteceu noutras paragens, noutros contextos .

A Comunidade Europeia, por sua vez, bem pode ter aqui um acto colectivo e simbólico pelos Direitos do Homem: estando presente e estando solidária contra as vítimas da repressão brutal.

jogos sem fronteiras

É motivo de permanente fascínio as medidas de liberalização nas sociedades autoritárias, politicamente antidemocráticas. A mais extraordinária, sem dúvida, foi a tentada no periodo da perestroika, na já longínqua década de 80 do século passado.

Actualmente, e desde algumas décadas atrás, os mandarins chineses procuram a quadratura do circulo, tentando conciliar o poder exclusivo duma élite com a liberdade económica e o consumismo. Se tivessem lido Marx, já teriam noção dum dos seus axiomas básicos: alterações na infra-estrutura (leia-se: a correspondência entre as relações de produção e as forças produtivas) implicam necessariamente alterações na superestrutura (leia-se: as instituições políticas e jurídicas, o Estado, as ideologias, a cultura, etc).

jogos.jpg 

(mais…)

Nuvem de etiquetas

%d bloggers like this: