novidades e outras coisas

Posts tagged ‘china’

quando a china acordar…

Leio aqui pela enésima vez a mesma leitura do futuro previsível, mas os sinais do presente parecem-me mais seguros, até nos pequenos pormenores. Como quando nos contam da ameaça, para o regime, que são as iniciativas dos cidadãos (o embrião da tão falada sociedade civil). Mesmo quando se movem por um motivo tão simples e urgente como seja este: o de encontrar os filhos desaparecidos.

Anúncios

“unstable, unbalanced, uncoordinated and unsustainable”

But in reality, what Beijing is doing is investing its money in foreign assets rather than investing in its domestic infrastructure. It’s not just toilets and basic sanitation that are thin on the ground. So is an awful lot of essential infrastructure, such as hospitals and adequate schools in the country’s vast hinterland.

 If a poor Chinese villager gets seriously ill it’s a choice between treatment and penury – or dying. That’s something often forgotten when we talk about the great global imbalance – where America and Britain borrow too much and the Chinese and the Middle East lend them money.

This is money that could be used to help villagers in western China.

 And it’s a big reason the Chinese economy has been called “unstable, unbalanced, uncoordinated and unsustainable” – not by an American economist, but by China’s premier Wen Jiabao. (Aditya Chakrabortty in Guardian)

o poder dum homem só

Que se pode pensar de alguém que põe em causa a legitimidade do regime do seu próprio país? Um “criminoso que violou a lei do seu país, julgado por um tribunal desse seu país“? E que participa em “coisas” como a abaixo -assinadas?

“Unfortunately most of this political progress has extended no further than the paper on which it is written. The political reality, which is plain for anyone to see, is that China has many laws but no rule of law; it has a constitution but no constitutional government. The ruling elite continues to cling to its authoritarian power and fights off any move toward political change.” (in Charter 08)

Então, e que pensar dos motivos que animam quem premeia essa atitude criminosa? Uma obscenidade, talvez. Mas isso seria uma grande ingenuidade. Há pior, muito pior: A decisão da atribuição do Prémio Nobel da Paz a Liu Xiaobo – inseparável das pressões económicas e políticas dos EUA à República Popular da China – é, na linha da atribuição do Prémio Nobel da Paz de 2009 ao Presidente dos EUA, Barack Obama, mais um golpe na credibilidade de um galardão que deveria contribuir para a afirmação dos valores da paz, da solidariedade e da amizade entre os povos. (lido aqui, que é o mesmo que dizer de quem percebe destas coisas).

Que, curiosamente, está na mesma linha de pensamento de quem diz que  “the Nobel Peace Prize broadens the suspicion that there is a Western plot to contain a rising China“.

Se, ao menos, tivesse este nosso país um sistema político tão combativo que nos defendesse de quem quer subverter o actual regime!

mais um criminoso a ganhar o prémio Sakharov

É vergonhosa a atribuição dum prémio prestigiado como é o Prémio Sakharov a um criminoso detido na China. Além duma “grosseira ingerência nos negócios internos chineses“.

 

a familia de criminosos galardoada com o Prémio Sakharov

(mais…)

eterno retorno?

Para quem como eu, nascido e criado nos tempos da Guerra Fria e do Grande Timoneiro, a queda do Muro, a implosão soviética e a revolução capitalista chinesa são processos históricos ainda difíceis de observar friamente. Como vai longe, por exemplo, o tempo em que os americanos receavam ser “comprados” (hollywood, indústria automóvel) pelos japoneses!

Agora, no maior momento de crise (e absoluta desorientação) dos Estados Unidos no último  meio-século, quem vem lhes estender a mão e dar palavras de ânimo?

 

(mais…)

it takes two to…

It has become the basis of our throw away society – an apparently infinite Aladdin’s cave of goodies; the answer to the dreams of the world’s shopaholics. O reverso da medalha está à vista, o verso do reverso pode ser o desejável: a imposição de regras e de fiscalização, à semelhança de tantos outros países. E não deixa de ser trágica a ironia deste escândalo arrebentar semanas depois da apoteose olimpica. Mas mais trágica e irónica, é a conjugação dos dois extremos do capitalismo selvagem: na China, como nos Estados Unidos. A model that looks appealing in part because assets are not valued at market prices ought to ring alarm bells

ordem olimpica

Sentencing them both to a year in a labour camp, the official paperwork says Wu, who walks with a stick, and Wang, who is deaf and partially blind, had “seriously disturbed the normal social order (in al-Jazeera)

I’m glad to hear that over 70 protest issues have been solved through consultation, dialogue.This is a part of Chinese culture” (Wang Wei, vice-presidente do comitê olimpico chinês)

“At first we were happy to hear the government was allowing protests during the games, but now we realise that promise was fake. I’m very, very angry” (Wu Dian Yuan, 79 anos, condenada a cumprir 1 ano num centro de re-educação pelo trabalho)

Nuvem de etiquetas

%d bloggers like this: