novidades e outras coisas

Posts tagged ‘casamento’

pode o pecado ir a referendo?

Deverá o direito dos padres ao casamento ser referendado?

Considero um sinal do fim dos tempos (2012…será?) esta abertura recente da Igreja Católica (em Portugal pelo menos)  ao debate e ao referendo sobre o matrimónio entre pessoas do mesmo sexo. Este fim-de-semana mesmo, li um artigo de opinião no Público (sem link para não assinantes) a defender o referendo por toda uma série jurídica de razões assinado por um senhor padre-cura. Isso choca-me.

Imaginem há 50, 100, 300 nos atrás, um padre assumir o direito dos fiéis (e infiéis) de decidir se é (ou não) legítimo o casamento entre pessoas do mesmo sexo! Já o casamento entre sexos opostos ter como opção o civil em contraposição ao religioso foi um trauma danado para a sociedade. Depois veio o flagelo do divórcio entre pessoas que Deus uniu ( e para sempre, como se sabe). E, entretanto, há cada vez mais gente a ter filhos fora do casamento.

Se a Igreja Católica portuguesa tem aceite estes flagelos com resignação, a verdade é que não achou por bem referenda-los. A interrupção voluntária da gravidez foi a referendo e creio que nenhum padre defendeu essa consulta. Também é verdade que o padre-cura acima referido assinava o artigo na qualidade de vice-presidente duma associação de famílias (não sei se numerosas ou monoparentais, mas isso não é relevante).

Receio, portanto, que um destes dias apareça outro padre-cura a defender um referendo para decidir se os padres podem ou não casar.

casamento entre pessoas do mesmo sexo

Ainda ontem alguém me perguntou porque sou a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo, apesar de ser visceralmente contra a ideia de casamento (em geral) e confesso que para me entender tenho de pensar um pouco e preciso de algum tempo para me explicar.

(mais…)

do divórcio unilateral

O Presidente vetou  a lei que permite a declaração de divórcio unilateral alegando haver uma parte fraca no casamento (a mulher): a realidade da vida matrimonial no Portugal contemporâneo, onde subsistem múltiplas situações em que um dos cônjuges – em regra, a mulher – se encontra numa posição mais débil.

 

Com a nova lei, a ser promulgada, os comportamentos da parte abusadora (o homem) seriam recompensados dando-lhe de mão beijada a possibilidade do divórcio quando bem entender e sem ser constituído parte culpada (como seria num divórcio litigioso), sujeita ao pagamento de indemnização. Conforme diz quem deve ter muita experiência nestas coisas da vida conjugal, a proposta lei visa um “certo facilitismo, desprezando os valores que ajudam a manter os vínculos e os compromissos públicos e sérios que as pessoas fazem e que não devem ser desfeitos por uma situação imediata, mas tendo em conta os efeitos dessas decisões para as pessoas e para a sociedade”.

Como sou rapaz solteiro não tenho opinião, mas, sempre que ouço os defensores do casamento contra o facilitismo dos divórcios, fico percebendo que casamento é um tipo de sociedade ainda mais complicado do que as outras que se constituem nos registos comerciais. Bem diz o outro: “…até que a morte os separe.” (mais…)

Nuvem de etiquetas

%d bloggers like this: