novidades e outras coisas

Posts tagged ‘capitalismo’

A crise (sempre) é uma grande oportunidade

Tenho de reconhecer que na minha problemática adolescência, já as “pessoas muito sérias” (Paul Krugman) enchiam o peito antes de debitar números, análises, diagnósticos e previsões, apontando erros alheios e oferecendo receitas fantásticas de tão evidentes e assertivas.

21026.strip

Dogbert, o consultor
Dogbert: “Um modo de encarar os seus problemas é que ninguém gosta dos vossos produtos…mas não sei como resolver isso. Assim, recomendo que se forme unidades de negócios internas para andarem a discutir uns com os outros.”
Cliente: “Porque recomenda isso?”
Dogbert:”Bem, estaria a mentir se dissesse que gosto de si.”

Sim, estou a falar de economistas, gestores e e toda essa gente muito objectiva, que lida com a realidade e com os números. O meu oposto, portanto.

Curiosamente, naquele tempo tanto os havia com o perfil neo-liberal (categoria discutível, mas que toda a gente entende o que quero dizer) como os de perfil marxista (-leninista). E uma catrefada de coisas intermédias, até porque aqueles eram mesmo outros tempos: assumia-se a ideologia, a social-democracia tinha pergaminhos e nem a China, nem a Rússia, eram os países capitalistas que conhecemos de há 20 anos a esta parte.

Com uma diferença, contudo: essa gente “muito séria” não se limitava ao estribilho da austeridade. O que as caracteriza, então como agora, é que “nunca se enganam e raramente têm dúvidas” (Aníbal Silva).

E não perdem o ar sério, as qualidades analíticas, o dom profético e compulsão em divulgar receitas auto-evidentes. Tudo em virtude de praticarem uma ciência, creio eu de que.

O que é consolador, pois se a crise económica actual é longa e dura, como seria se aqueles que regem os mercados, os bancos centrais, os governos, os fmi’s, etc,  fossem pessoas falíveis, dotadas de auto-crítica, sujeitas ao contraditório e à penalização (académica, claro) da sua reputação. Sim, como seria? (mais…)

Anúncios

o fim do mundo…

…ainda não é hoje. Talvez.

1350390279_958646_1350397986_album_normal

este ano não houve “silly season”

Se algo de certo se pode concluir da confusão que se instalou na última década e que levou à incerteza generalizada (ou sistémica) em que vivem os países europeus e norte-americanos em especial, é a do valor dum bom debate e do confronto de soluções.

Aqueles que têm memória não esquecem a pressão dos governos, dos media, das “opiniões públicas”, dos “fazedores de opinião”, etc, quando surgiam vozes discordantes à política dominante.

(mais…)

bom fim-de-semana

Esta es una época interesante, y lo digo en el peor sentido de la palabra. (Paul Krugman)

business, as usual

Deus: "Ah, Noé...só mais uma coisa: com as mudanças climatéricas, este será o vosso clima para sempre."

Num dia, numa noite, daqui a muito tempo ( ou já no final do século), quem se dedicar a entender a crise económica e política deste “nosso tempo”, certamente ficará maravilhado pelo modo cândido e complacente como, sabendo de tudo, aceitamos tudo o que nos acontece e ainda virá a acontecer.

Que um país fosse à falência por causa das dívidas dos bancos, estes no exercício da sua actividade privada, é uma das pérolas de sabedoria a reter.

Que a maior economia mundial entre em profunda crise financeira ( e tudo o mais que se lhe segue), por causa de bancos e seguradoras que vendem algo que não entendo muito bem, mas têm poéticos nomes como “activos tóxicos” ou “obrigações de lixo” ao longo de anos, parece ser a própria definição da lei karmica da retribuição.

O que será motivo de maior espanto, não duvido, para esse hipotético futuro colecionador de curiosidades dos tempos passados (que serão “o nosso tempo”, então), será daquele pequeno país portugal que tentou fugir à crise mundial até ao último momento.

Como que a responder às dúvidas do colecionador hipotético futuro, um cronista da época passada (que ainda é a corrente, do nosso ponto de vista presente e garantido) adianta a resposta: casualidade, causalidade.

Que é como quem diz: em Março de 2011, fulano deixa a entidade A antes do termo do seu mandato enquanto presidente, por entender que já havia cumprido a missão para que o governo o nomeara.

Logo a seguir, uma coisa denominada Tribunal de Contas afirma por auditoria feita à dita entidade A que esta conseguiu renegociar brilhantemente uma dívida e, em vez de ficar a dever 178, passa só a dever 10000 (a unidade de valor é o milhão de euros). Saiba-se, ainda, que um dito consórcio B (liderado pelas empresas C e D) será o contemplado por mais de metade dessa verba renegociada.

Finalmente, em Maio de 2011, e em vez de se refugiar num merecido descanso após a missão cumprida em menos tempo do que o tempo que tinha para a executar, o dito fulano acima referido,vai continuar a “reestruturar empresas” e passa a liderar uma empresa E que pertence à empresa D que integra o consórcio B que renegociou a dívida com a entidade A de que o tal fulano fora presidente.

E, assim, para memória futura, fique registado com que malhas este pequeno império tece a sua tenaz resistência à crise mundial responsável por todos os nossos males.

P.S.: e para que ao futuro colecionador hipotético não lhe falte o arrepio duma conspiração bem mais incrível do que a de qualquer código da vinci, fica aqui a referência a este outro passado cronista. Porque a questão socrática do “conhece-te a ti mesmo” deve ser alargada para além do próprio Sócrates.

hermanos, por supuesto que sí!

 

 

 

 

 

 

A pesar de la letanía oficial de que Portugal España no es Irlanda (una obviedad, aunque no sea más que por la excelente solvencia de los dos grandes bancos portuguesesespañoles), lo cierto es que ambos países tienen algún punto en común. Por ejemplo, la dependencia del ahorro externo. En contra de PortugalEspaña juegan su déficit exterior, la elevada tasa de paro y la escasísima proyección de crecimiento. Hay dos factores que ensombrecen todavía más la confianza de los inversores sobre PortugalEspaña.

Uno es la débil estructura fiscal, que se hunde en periodos de recesión; el otro, la mediocre gestión del Gobierno, capaz de anunciar en falso una reforma de las pensiones, aplazarla después y condicionarla a un acuerdo con los agentes sociales, o de demorar las reformas financiera y laboral. Un lastre añadido es la pobre calidad política que perciben los inversores en el PSDPP. El supuesto recambio no ofrece garantía alguna a los agentes de la inversión mundial. (in El País)

ADENDA: E já agora, também acho que é justo recordar todos aqueles que nos falavam do alto do seu saber. Ou outras variantes que, sem deixarem de ter razão, parecem deslocadas.

contra-revolução?

"El éxito del proceso que ahora se inicia dependerá del aseguramiento político que desde el movimiento sindical y bajo la dirección del Partido los dirigentes sindicales demos previamente a las acciones que se deben emprender"(in Pronunciamiento de la Central de Trabajadores de Cuba)

Curiosa polémica aberta entre a Central de Trabajadores de Cuba e o “nosso” PCP, como se pode analisar nas páginas do Granma e do Avante, respectivamente: (…) En correspondencia con el proceso de actualización del modelo económico y las proyecciones de la economía para el periodo 2011-2015, se prevé en los Lineamientos para el año próximo la reducción de más de 500 000 trabajadores en el sector estatal y paralelamente su incremento en el sector no estatal. 

 El calendario para su ejecución está concebido por los organismos y empresas, hasta el primer trimestre del 2011. (…) Es conocido que el exceso de plazas sobrepasa el millón de personas en los sectores presupuestado y empresarial.  (…) Nuestro Estado no puede ni debe continuar manteniendo empresas, entidades productivas, de servicios y presupuestadas con plantillas infladas, y pérdidas que lastran la economía, resultan contraproducentes, generan malos hábitos y deforman la conducta de los trabajadores.  

Es necesario elevar la producción y la calidad de los servicios, reducir los abultados gastos sociales y eliminar gratuidades indebidas, subsidios excesivos, el estudio como fuente de empleo y la jubilación anticipada.(…) Para el tratamiento laboral de los trabajadores que en una entidad o puesto de trabajo resulten disponibles, se amplia y se diversifica el actual horizonte de opciones con nuevas formas de relación laboral no estatal como alternativa de empleo: entre ellas están el arrendamiento, el usufructo, las cooperativas y el trabajo por cuenta propia, hacia donde se moverán cientos de miles de trabajadores en los próximos años.  

(in Granma, sublinhados meus)  

Ou seja, e de acordo com as políticas neo-liberais (“menos Estado é melhor Estado”) e o revisionismo assumido por Fidel de Castro (‘O modelo cubano não serve nem para nós‘), a resposta à crise é feita à custa dos trabalhadores, da precariedade do trabalho, do retrocesso das condições de vida da grande massa trabalhadora (neste caso, tantos os “velhos” como os “jovens”). Como não podia deixar de ser, o PCP soube dar a resposta no momento e no tom certo: “Política de direita com resultados à vista  

Com esta política, nem se combate a crise, nem se resolvem os problemas nacionais que assumem uma nova e mais preocupante dimensão. O resultado está à vista no elevadíssimo desemprego, que permanece a níveis nunca antes atingidos e sem perspectivas de inversão; no prolongamento da estagnação económica, com destruição da capacidade produtiva nacional, no empobrecimento relativo do País (…); na persistência dessa larga mancha de pobreza (…). Mas igualmente na amplitude da precariedade das relações laborais, que está a contribuir, juntamente com o desemprego, para o acelerado retrocesso das condições de vida da grande massa trabalhadora, particularmente dos jovens.” 

(in Avante, sublinhados meus)

Nuvem de etiquetas

%d bloggers like this: