novidades e outras coisas

Archive for the ‘mundanidades’ Category

A reserva do direito de admissão

Longe de mim emitir qualquer juízo sobre uma frase assim:  o “sacerdócio [é] reservado aos homens, como sinal de Cristo Esposo que Se entrega na Eucaristia. De facto, é coisa que não se põe em discussão. 
Não, de modo algum.
O que me causa espécie é o sentido da expressão em que o ‘esposo se entrega‘, já que daí resulta o sacerdócio ser reservado aos homens.
Oh, não, ela está usando o mesmo vestido que eu

                       MULHERES-BISPO                     “Oh não, ela está usando o mesmo chapéu que eu”

MULHERE

Anúncios

‘e agora – phosga-se – já parece ser tarde para tudo’

(…) mais uma homenagem a mais um ego desmedido na área da nossa economia para totós, a mais fértil em gente capaz de mudar o mundo e arredores, mas só antes ou depois de estar em posição para o fazer.

 Este é outro que sabia tudo antes, saberá tudo depois, mas agora parece que coiso.’ (in A Educação do meu Umbigo)

De facto, o exemplo escolhido é um entre tantos: antes ‘de estar em posição’ dá-se opinião para tudo, sobre todos e, sobretudo, com absoluta isenção de qualquer dúvida sobre o que há a fazer; depois ‘de estar em posição’ não há um exame autocrítico, nem uma reavaliação ou o vislumbre duma alternativa.

Entretanto, ao longo do penoso exercício ‘de estar em posição’, o vazio.

1360079680_761902_1360079736_noticia_normal

 

 

Verão cultural

Um dos privilégios da minha vida é o de poder gozar, com alguma frequência, fins-de-semana numa zona rural algures no sudoeste europeu, finais de tarde à beira-mar numa praia do nordeste-atlântico ou um dia inteiro a passear por um dos grandes rios ibéricos. Privilégios de quem reside no litoral sul da região galaico-portuguesa.

Apesar desta diversidade geográfica, em todos estes lugares posso usufruir do mesmo gosto cultural pela música gravada, geralmente com uma qualidade algo peculiar, que me chega de localidades “em festa”, dos bares da praia por onde passeio, do próprio barco que faz o percurso do rio.

A qualidade do som pode variar (muito mau nas aldeias, mau nos barcos e sofrível nas esplanadas de praia), o reportório vai do pimba (os barcos) ao pseudo-folclórico (as festas de aldeia) e a estilos mais ecléticos desde o pop dos anos 80 a temas jazzísticos (os bares), mas a ubiquidade do ruído (musical) é, de facto, a prova da tenacidade cultural das multidões estivais que celebram o convívio, a festa, o escape.

Cultura versus (evidentemente) Natura. Quem está para escutar o piar irritante dos passarinhos, o silêncio enervante das margens do rio (se calhar o rio até tem os seus ruídos próprios, mas é impossível afirmá-lo sob a torrente de canções porno-pimba que os barcos debitam) ou o barulho monótono do mar?

931233_393474604094304_1436444077_n

 

 

 

“¿Por qué odio las fiestas populares?”

Aranda del Duero, uma cidade vizinha de Pamplona, nunca alcançou o mesmo grau de sucesso com a sua largada anual de abelhas assassinas.

Aranda del Duero, uma cidade vizinha de Pamplona, nunca alcançou o mesmo grau de sucesso com a sua corrida anual de abelhas assassinas.

Cuando los poderes perseguían, restringían, oprimían, internaban o ejecutaban, las fiestas populares eran un paréntesis de alivio en el que se consentían algunos excesos, un tiempo breve en el que hacer manifiestas la alegría vecinal o la furia, la risa satírica y el poder corrosivo de los menesterosos.

En teoría, el único precepto que se seguía en una manifestación reglada por ritos era éste: fuera normas… ¿Qué es lo que sucede hoy, en nuestros tiempos permisivos e hipermodernos?

En muchos casos, las fiestas populares se han convertido en la excusa para que el exceso injustificado se exprese, para que algunos brutos se manifiesten rompiendo materialmente lo propio y lo ajeno, para que algunos se entreguen a un libramiento destructivo con desenfreno impenitente.

Por supuesto, en las fiestas siempre estuvo ese sentido de brutalidad: eran incluso bestiales, pues el vandalismo es una forma de expresar lo reprimido, lo que necesita escape o paliativo.

Sin embargo, en la sociedad permisiva y democrática de nuestros días, el vandalismo no es necesariamente la manifestación de los humildes: muy frecuentemente es la licencia que se da el individuo bronco y ordinario.

(Justo Serna in El País)

Da inteligência das galinhas

Sem ironia e sem qualquer juízo depreciativo, um dos aspectos mais extraordinários e fascinantes da espécie humana é a estupidez. Digo isto e acrescento, desde já, que me incluo na dita espécie, partilhando a tal extraordinária e fascinante qualidade.

Tal como dizia um francês metódico e cartesiano, também me parece que o bom senso é a coisa mais bem distribuída no mundo, ainda que sujeito a variações bruscas e catastróficas.

Ainda esta semana li uma entrevista com Jane Goodall em que ela confessava o seu desapontamento ao reconhecer nos chimpanzés os mesmos comportamentos agressivos e cruéis  que conhece no macaco humano.

É um ovo quadrado dentro dum buraco quadrado, seu idiota.

É um ovo quadrado dentro dum buraco quadrado, seu idiota.

Curiosamente, num artigo publicado recentemente, uma investigadora da Universidade de Bristol, Christine Nicol, afirma que os pintainhos nascem com uma precoce competência numérica, incluindo noções de física e, particularmente, engenharia estrutural (seja lá o que isso for). O que me faz reflectir profundamente sobre o sentido deste mamífero destituído de qualquer competência matemática (que sou eu) ter acabado de almoçar um frango estufado com batata.

391841_311261818883882_179063062103759_1295515_1246462427_n

…e queremos agradecer à evolução por mudar lentamente algumas espécies de dinossauro numa bola de carne com pernas e com uma pequena cabeça.

Ora, o que me motiva este post tem a ver com a milionésima vez que leio no Facebook um aviso urgente, com apelo cívico à sua divulgação maciça pela rede, a anunciar mais uma malfeitoria da entidade que se esconde por detrás da sigla Facebook.

A que li hoje não varia muito do habitual: se o usuário não afixar o texto que está a ler na sua Cronologia, o Facebook irá cobrar-lhe não sei quanto por dia/mês (um balúrdio de dólares, mesmo quando convertidos em euros), apropriando-se dos direitos de autor de tudo quanto o usuário publicou, além de apropriar-se de todos os dados pessoais do usuário.

O mais assustador nem é isso. Dum modo muito geral, tudo o que se publica na net (facebook incluido) passa a património mundial automaticamente (veja-se o que se passa com os downloads ilegais de filmes, músicas e livros) e a entrega dos dados pessoais de todos nós, intrépidos navegantes e surfistas, são a contrapartida para usufruirmos de todos aqueles serviços gratuitos com que já não saberíamos viver se os perdêssemos e, pior ainda, para os quais não teríamos dinheiro para pagar se a isso formos obrigados.

A esse respeito, incomoda-me mais que os governos da China, do Irão, dos Estados Unidos ou da Rússia, ou de qualquer outro país aliás, tenham acesso a esses dados directamente ou via google, facebook, microsoft, etc.

O que me assusta mesmo é ler nos tais avisos publicados em páginas do Facebook por usuários de espírito cívico, rebelde e bem informado, é que, a partir das tantas horas de tal dia (geralmente o próprio dia ou o seguinte), “os fiscais do Facebook” começarão a visitar todas as páginas para listar as que não tiverem publicado o tal texto em que o usuário não autoriza tal e tal coisa por parte do Facebook.

É a partir daqui que a inteligência superior das galinhas me dá um nó no estômago.

-Qual é o teu Q.I.? -Esses testes são muito imperfeitos -Uau, é assim tão baixo, eh?

-Qual é o teu Q.I.?
-Esses testes são muito imperfeitos
-Uau, é assim tão baixo, eh?

Abaixo leia-se a reprodução dum desses avisos:

NÃO AUTORIZO COBRANÇAS POR PARTE DO FACEBOOK, DIRETA OU INDIRETAMENTE.
FALTAM 12 HORAS PRAZO FINAL, ACABOU DE SAIR NA MÍDIA, EXTRA OFICIAL, passou no Splash (domingo passado) e no Programa da Querida Julia na quinta-feira, no Jornal Nacional e na terça-feira, na RFM na segunda-feira, no Jornal da Noite, no sábado passado no Gosto Disto e no Corean On Line, Daqui a 30 horas os fiscais do Face darão início a busca seletiva avançada a procura desse aviso no seu mural, tal qual está escrito aqui, e então o facebook e todos os serviços continuarão a ser gratuitos e sem o envio de dados ao governo americano. Do contrário, os dados continuarão a ser pesquisados pelo governo americano, as fotos serão visíveis por todos e seu nome irá para lista de inadimplentes com inclusão no SCP – CPT – SERAZA – OLGIZ – BANK CITY – BOBONIS E TROLINS (conforme lei 3102/07-06, recentemente aprovada pela Constituição da Republica). Caso não tenha esse aviso copiado, colado e registrado em arquivo word no seu computador com um print screen de tela, os agentes do face ligarão a cobrar, uma ligação internacional de 30 minutos, cobrando a taxa de 5,99 E (convertidos a moeda corrente do país pouco mais de 10,00 E por dia mais juros) por semana debitado diretamente na conta telefônica no seu ponto de acesso wi-fi internet segura – Não esqueça de colar isso no seu mural e você estará livre da cobrança e livre de ser taxado de bobo mais uma vez, dentre outros inconvenientes. Caso contrário, em trinta dias suas publicações tornar-se-ão públicas propriedade na privada, suas mensagens e fotos,
EU NÃO AUTORIZO!!!

Andamos a ler menos? É mesmo?! E daí?

“(…) segundo José Soares das Neves, “perante o cenário actual e as dificuldades actuais é esperável a estagnação ou mesmo diminuição dos pequenos e médios leitores, o que para Portugal é particularmente gravoso, porque os nossos níveis de leitura são muito baixos”.

De acordo com as Estatísticas da Cultura do INE relativas a 2011, 58,4% dos portugueses não tinha lido nenhum livro como actividade de lazer nos 12 meses anteriores e 27,3% tinha lido menos de cinco livros. Os números compõem-se um pouco se juntarmos os livros lidos por trabalho ou estudo: a taxa de não-leitores desce para 41,6%.

Mesmo assim, “em França, há 80% de leitores”, compara o sociólogo.” (in Público)

Sejamos claros: ler, por si mesmo, não significa cultura, conhecimento, sensibilidade, ou qualquer manifestação de abertura e curiosidade para o mundo.” (Ler significa alguma coisa? in Escrever como?)

Sem pretender ser cínico (de maneira nenhuma!)*, devo dizer que não me assustam nada os números indicados pelo INE. Não sei se é possível comparar estes dados com anos tão remotos como 1990, 1980, 1970…e fico-me por aqui, mas tenho a impressão que a perspectiva será muito optimista: uma subida consistente do número de leitores e de venda de livros.

Somos um país de poetas e romancistas, toda a gente sabe, basta percorrer as ruas das cidades atento aos nomes das mesmas, mas nunca fomos um país de leitores, longe disso. Creio que em 1974 ainda se estimava uma percentagem de analfabetos bastante considerável na população portuguesa (um verdadeiro nicho de mercado, se fossemos a aplicar o jargão corrente). E o conceito de iliteracia, nas décadas seguintes, veio substituir o de analfabetismo, o que já significa um progresso.

156012_538511646200699_1262064260_n

Frente à rivalidade feroz imposta pela rádio, pela televisão, pelo computador, por toda a parafernália audiovisual on-line, conseguir ter ganhos de leitura como os que imagino que temos tido nos últimos 40 anos, é obra! 

Claro, podia ser melhor. Mas há 40 anos, e mesmo antes, o ensino da língua e da literatura nos liceus assustava o mais bibliófilo dos adolescentes, depois disso creio que se tem progredido na eliminação da literatura dos programas escolares. Basta folhear os jornais e revistas, e procurar as secções de crítica literária para perceber. Ou ver os top’s de vendas nas livrarias.

E atente-se na subtil distinção por parte do INE: ler livros como actividade de lazer, por um lado, e ler livros por causa do trabalho ou estudo, pelo outro lado.

Em eras remotas, havia quem lesse por paixão, curiosidade incontrolável e prazer, misturando as horas de lazer, de trabalho e de estudo. Felizmente, numa época em que existe a categoria de “literatura de aeroportos” e livrarias com secções de “auto-ajuda”, o nosso tempo e qualidade de leitura está igualmente normalizado.

* ok, estou a mentir.

Quatro anos de Vivacidade

Há a dinâmica cultural dos grandes eventos, grandes instituições, dependente do mecenato, do Estado ou das fundações.

E há outra em (quase) tudo pequena, dependente da boa vontade e interesse dos que nela se envolvem como público e participante.

Ambas são imprescindíveis, complementares e, infelizmente, vítimas da Grande Crise. Galerias, tertúlias, academias, espaços, vão surgindo (e desaparecendo) pela vontade de realizar projectos pessoais ou colectivos, e a sua simples existência já é um “atestado de vida” a uma sociedade-cidade-cidadania que, no geral, peca pela passividade e conformismo.

O Vivacidade-espaço criativo , que  festeja hoje 4 anos de actividade, tem sido exemplar nessa dinâmica de escassos recursos, mas capaz de promover um variado e elevado número de actividades, envolvendo, ao longo de cada ano, agentes culturais, instituições, artistas e investigadores.

Concebido, criado e animado pela Adelaide Pereira, que se tornou uma referência nos meandros da cultura do Porto sem ser ela própria uma “artista”, nem ter tido ligação anterior ao mundo da cultura e das artes, o Vivacidade afirmou-se como um espaço criativo, aberto e com a extraordinária capacidade para impor, a si mesmo, uma agenda de eventos regular ao longo de todos estes 48 meses.

11

Em quatro anos, semanalmente foi desenvolvendo acções de formação nas mais diversas áreas, visitas guiadas a lugares e monumentos da cidade (na maioria pouco conhecidos ou habitualmente fechados ao público), realização de exposições (pintura e fotografia), sessões de poesia e de cinema orientadas sempre por algum expert no assunto, programas culturais para crianças no Natal e na Páscoa, lançamento de livros, workshops de criação literária, fotografia e outras matérias, palestras/debates sobre os mais variados assuntos e por gente de extraordinário valor, recitais de música, teatro…

O “segredo”, acessível só a quem frequente este espaço, está na criatividade, curiosidade, dedicação e trabalho de todos os que nele participam, uns de forma regular, outros esporadicamente, mas sempre de modo generoso e dedicado.

Como diz o outro, a propósito destas questões da rotina e da falta de inspiração: o Vivacidade-espaço criativo é um “berro rebelde à vida torcida ao avesso/que urge despertar a cores num movimento/ vibrante/ de vivacidade“.

Parabéns!

Nuvem de etiquetas

%d bloggers like this: