novidades e outras coisas

The sound of music

Tenho uma ilimitada admiração pelas pessoas que protestam pelo que acham certo e contra o que acham errado (excepto quando o fazem para pôr em causa a liberdade e os direitos fundamentais de outras pessoas, naturalmente). E mais admiro quando o fazem de modo não-violento, festivo e bem-humorado, principalmente ao exporem publica e notoriamente o ridículo das vacas sagradas. Como as instituições do Poder e suas decisões, que geralmente não admitem contraditório e alternativa.

Sou dum tempo em que se faziam muitas manif’s por tudo e por nada, onde a violência por vezes irrompia. Umas vezes porque a “cultura” da época favorecia o discurso intolerante. Outras vezes porque surgiam os chamados elementos provocadores. Que, em versões mais sofisticadas (e que permanecem nos dias de hoje), fazem-se passar pelos próprios manifestantes para justificar a posterior repressão policial. Assim como a condenação pública dos media pouco perspicazes.

Essa admiração é tanto maior quando quem protesta o faz num ambiente politico, social e jurídico que pouco ou nada tem a ver com aquele que é suposto existir num Estado de Direito. Como recentemente aqui lembrei.

Nos últimos tempos tenho acompanhado a evolução dos acontecimentos em Istambul, na praça Taksim. Tudo terá começado por causa duma dessas decisões superiores (dum governo, duma câmara municipal) que não se preocupa em auscultar os cidadãos, e pretende arrasar um espaço urbano para erguer algo novo. Nada de transcendente, isso está sempre a acontecer em todo o lado. Mas como há habitantes da cidade com memórias, afectos e espírito de cidadania, logo complicam o simples contestando as decisões “de cima”.

Steve Bell 14.6.2013

Perante  o natural desprezo das autoridades, passam à acção directa ocupando o espaço ameaçado com a sua presença de modo a criar um acontecimento mediático, a inevitável discussão pública (que até então se evitara cuidadosamente) e ganhando a solidariedade e participação de outros cidadãos que compreendem o que está em jogo: a Política. Mais do que edifícios, árvores ou nostalgias íntimas, o comum das pessoas, em Istambul, na Turquia, ou em Ermesinde, em Portugal, percebem que o processo de decisão não respeitou procedimentos mínimos de convivência democrática. E vai daí…

Que as autoridades, locais ou nacionais, não apreciem o gesto, procurem desmoraliza-lo lançando suspeitas infames sobre os reais motivos dos manifestantes, ameaçando com o “fim da paciência”, tentando dividir as pessoas na praça alertando para a presença de “vândalos” e outras animalárias, faz parte do roteiro habitual destas coisas em todo o mundo. Que a polícia cometa os habituais desacatos e violências sobre cidadãos pacíficos, e tempos depois “sofra” ela própria a violência de manifestantes (?) é o que se chama uma “profecia auto-realizada”: tanto se fala em manifestantes violentos, tanto tardam estes em aparecer, que uma “ajudinha” se torna necessária para justificar a violência das autoridades. A passada, como a futura.

604084_369459959808452_2128014517_n

Porém, se tudo isto é banal e previsível, pequenos grandes acontecimentos ainda me surpreendem: vindo não sei de onde (o homem é um vagabundo, na verdade), um pianista em plena praça Taksim, Davide Martello, toca no seu piano de cauda temas de Bach ou de Lennon.

Se é óbvia a sua simpatia pela “causa” dos manifestantes, Davide dedica cada tema que toca à policia e às pessoas em protesto por serem todas uma só família. Ingenuidade, certamente, como a que a canção Imagine expressa.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Nuvem de etiquetas

%d bloggers like this: