novidades e outras coisas

Archive for Maio, 2011

business, as usual

Deus: "Ah, Noé...só mais uma coisa: com as mudanças climatéricas, este será o vosso clima para sempre."

Num dia, numa noite, daqui a muito tempo ( ou já no final do século), quem se dedicar a entender a crise económica e política deste “nosso tempo”, certamente ficará maravilhado pelo modo cândido e complacente como, sabendo de tudo, aceitamos tudo o que nos acontece e ainda virá a acontecer.

Que um país fosse à falência por causa das dívidas dos bancos, estes no exercício da sua actividade privada, é uma das pérolas de sabedoria a reter.

Que a maior economia mundial entre em profunda crise financeira ( e tudo o mais que se lhe segue), por causa de bancos e seguradoras que vendem algo que não entendo muito bem, mas têm poéticos nomes como “activos tóxicos” ou “obrigações de lixo” ao longo de anos, parece ser a própria definição da lei karmica da retribuição.

O que será motivo de maior espanto, não duvido, para esse hipotético futuro colecionador de curiosidades dos tempos passados (que serão “o nosso tempo”, então), será daquele pequeno país portugal que tentou fugir à crise mundial até ao último momento.

Como que a responder às dúvidas do colecionador hipotético futuro, um cronista da época passada (que ainda é a corrente, do nosso ponto de vista presente e garantido) adianta a resposta: casualidade, causalidade.

Que é como quem diz: em Março de 2011, fulano deixa a entidade A antes do termo do seu mandato enquanto presidente, por entender que já havia cumprido a missão para que o governo o nomeara.

Logo a seguir, uma coisa denominada Tribunal de Contas afirma por auditoria feita à dita entidade A que esta conseguiu renegociar brilhantemente uma dívida e, em vez de ficar a dever 178, passa só a dever 10000 (a unidade de valor é o milhão de euros). Saiba-se, ainda, que um dito consórcio B (liderado pelas empresas C e D) será o contemplado por mais de metade dessa verba renegociada.

Finalmente, em Maio de 2011, e em vez de se refugiar num merecido descanso após a missão cumprida em menos tempo do que o tempo que tinha para a executar, o dito fulano acima referido,vai continuar a “reestruturar empresas” e passa a liderar uma empresa E que pertence à empresa D que integra o consórcio B que renegociou a dívida com a entidade A de que o tal fulano fora presidente.

E, assim, para memória futura, fique registado com que malhas este pequeno império tece a sua tenaz resistência à crise mundial responsável por todos os nossos males.

P.S.: e para que ao futuro colecionador hipotético não lhe falte o arrepio duma conspiração bem mais incrível do que a de qualquer código da vinci, fica aqui a referência a este outro passado cronista. Porque a questão socrática do “conhece-te a ti mesmo” deve ser alargada para além do próprio Sócrates.

poesia científica

Talvez por vivermos num tempo em que se valoriza -de facto- pouco, ou nada, a literatura em geral, a infantil em particular, e muito especialmente a divulgação cientifica de qualidade, nunca é demais realçar a obra de Regina Gouveia(…) a imaginação poética, aqui especialmente dirigida aos muito pequenos, surge aliada ao rigor científico (repare-se no pormenor da poesia já dar conta da “despromoção” de Plutão de planeta para planeta-anão) numa linguagem muito simples. Onde é que já vimos isso? (in De Rerum Natura)

Regina tem um blogue que faz parte dos mundos comunicantes com que este novo mundo está em linha. E mais além, ou aquém (conforme a posição relativa do observador…diria Einstein), ela também pinta. Uma personalidade tipicamente renascentista, portanto.

outros filmes, o mesmo enredo

A propósito do primeiro-ministro: “O tipo tem dito tantas mentiras, e continua repetindo-as tantas vezes, que depois dum tempo tornam-se verdade. Por isso penso que Portugal Itália mudou para sempre. Está definitivamente estragada. (Nanni Moretti in Guardian)

a nova seita

O quê?! Isto já chegou a este ponto?!_exclamei para mim mesmo quando vi a imagem acima, mas felizmente era um mau filme de ficção  a passar na TV e eu acabara de acordar no sofá. Do filme só lembro que se passava numa terra bué bué de longe, noutra galáxia e dimensão, a que chamavam Portugal.

Entretanto,no planeta Terra, alguém avisa, num raciocínio cartesiano que poderia ser do famoso e pouco conhecido Velho do Restelo: Estamos agora prontos para perder a soberania que nos resta e ficar dependentes do estrangeiro para sobreviver, sem que ninguém verdadeiramente saiba qual vai ser o futuro da Nação que deu novos mundos ao mundo. São estas algumas das razões porque, pelo menos para mim, apoiar quem nos colocou nesta situação está fora de questão e não faz qualquer sentido. (Henrique Neto in Diário de Leiria).

E avisado que estou, dá-me para recordar o tal mau filme na TV e outras palavras, não menos sábias:

O senhor deve de ficar prevenido: esse povo diverte por demais com a baboseira, dum traque de jumento formam tufão de ventania.

Por gosto de rebuliço. Querem-porque-querem inventar maravilhas glorionhas, depois eles mesmos acabam crendo e temendo.

Parece que todo o mundo carece disso. Eu acho, que. (in Grande Sertão: Veredas)

regionalização

Como não ver a beleza poética de duas cidades milenares do Noroeste Ibérico, aonde os Celtas se instalaram para ficar, partirem juntas até à Irlanda, também terra de Celtas?

E, para a Irlanda, já em tempos bem remotos, partiram outros povos ibéricos muito antes daí chegarem os Celtas. Dum modo, ou de outro, “cultivando a melancolia característica dos habitantes do país da morrinha, essa terra de marinheiros e labregos que cantam, dançam e versejam de modo incontinente. País que começa aqui e termina nas rias altas galegas. Ou vice-versa.” (in duradouro)

Região Norte?! Melhor ainda: Região Galaico-Portuguesa! Que no tempo dos Romanos teve como capital Bracara Augusta.

viva!

Esta semana está de parabéns: só 2 aninhos, já anda e já fala como gente grande! Por muitos e bons e sempre cheios de vivacidade!

Espaço recomendado a todas as gaivotas perdidas "dum poiso de inspiração".

Nuvem de etiquetas

%d bloggers like this: