novidades e outras coisas

verão morrinhento

de Christopher Zacharow

Dias de Verão cinzentos, frescos-quasifrios, com alguma chuva fina, são como noites em casa sem televisão, fins-de-semana em lugar ermo, computador sem internet, telemóvel sem rede. Como se, de repente, tivessemos de nos confrontar com a terrível questão: que vou fazer da minha vida?

Os Antigos, coitados, como faziam? Os mais priviligiados também recorriam às tecnologias da época, como o livro. Veja-se a srª.Bovary, por exemplo. Mas sendo sofisticados, faziam malas e iam conhecer mundo civilizado ou para lá das fronteiras da civilização, que tanto podia ser Paris como uma quinta perdida nas margens do Douro.

Ou desconheciam o “lazer” e levavam uma vida de canseiras, sem se confundirem com aquelas criaturas dos dias de hoje que abominam as férias enquanto “tempo livre” e são viciados no trabalho.

Sem recurso às muletas que amparam o vazio e a ausência de paixão, seria tentador cultivar prazeres íntimos, partilhar interesses por coisas singelas, mas nada disso surge assim de repente. Criatividade, sensibilidade, afectividade, diálogo, introspeção, curiosidade, desejo…estranho como exigem prática, dedicação, gosto. E um grãozinho de loucura pessoal e transmissível.

Comentários a: "verão morrinhento" (1)

  1. […] final de Verão, assim a modos que xôxo, verifico que já no ano passado o Verão de 2010 não foi diferente. A bem dizer, no canto noroeste da Ibéria…porque por […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Nuvem de etiquetas

%d bloggers like this: