novidades e outras coisas

"é essencial que a mulher se submeta ao desejo sexual do marido" (da lei afegã recentemente aprovada)

"é essencial que a mulher se submeta ao desejo sexual do marido" (da lei afegã recentemente aprovada)

In shariah, it states that a woman cannot go out without the permission of her husband,” he said.

He argued that the law is permissive because it allows a woman to go out for a medical emergency or other urgent reason without asking.

He also said much of the uproar had come from people misinterpreting the law and that a woman could refuse sex with her husband for many reasons beyond illness, including fasting for Ramadan, preparing for a pilgrimage, menstruating, or recovering from giving birth. (in Al Jazeera)

Que uma mulher não possa sair de casa sem autorização do marido, faz todo sentido (eu nasci num país em que a mulher não podia sair para o estrangeiro sem a autorização do marido).

Que a lei seja permissiva ao ponto de permitir à mulher sair de casa por causa duma emergência médica ou “outra razão urgente” sem pedir autorização, é já uma porta aberta a abusos.

Mas que a lei permita à mulher recusar sexo ao marido por várias razões para além da doença, como a menstruação ou a recuperação após o parto, isso talvez seja uma violação dos direitos do homem taliban.

Com legislação assim não vejo razão para a NATO se preocupar com o regresso dos Taliban ao poder no Afeganistão.

Ou como diz Malalai Joya, ex-deputada do parlamento afegão:

De tudo o que atormenta nosso país, elas são as principais vítimas: 87% sofrem violências domésticas; as violações – em grande parte impunes – são inomináveis. 80% das uniões são casamentos forçados, as filhas servem de moeda de troca: elas podem ser cedidas a velhos. ofertadas em reparação por alguma dívida, trocadas às vezes por um cachorro. o suicídio – forca, estrangulamento, imolação – surge a muitas como a única opção para fugir da miséria delas.

Se você soubesse o número de mulheres queimadas, desfiguradas, no hospital de Herat!

Anúncios

Comentários a: "da “guerra contra o terror”" (1)

  1. Adelaide Pereira said:

    Fiquei estarrecida com a descrição da ex-deputada do parlamento afegão – Malalai joya sobre as torturas às mulheres do seu país.

    De facto, ao falarmos de Direitos Humanos estamos a falar de muito mais que democracia.

    Adelaide Pereira

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Nuvem de etiquetas

%d bloggers like this: