novidades e outras coisas

Estas datas têm um lado irritante: o do nacionalismo, da “lusitanidade”, essas coisas demasiado simplificadoras e tremendamente manipuladoras.

Mas, se em vez das comemorações acéfalas, houvessem debates e o levantar de questões, talvez pudessemos entender, um dia, como Portugal passou da fase mais grandiosa da sua história para a situação da perda da independência no mesmo século XVI.

Talvez, mesmo, se percebesse melhor se houve, ou não, perda de independência.

E, provavelmente, veriamos o 1º de Dezembro de 1640 como uma etapa (inicial ou não) para o longo periodo de decandência cultural, política, económica, associado a lideranças caóticas ou despóticas, à crescente dependência e subordinação a grandes potências europeias.  

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Nuvem de etiquetas

%d bloggers like this: